Buendía

XIII

In Quando a cidade dorme on fevereiro 7, 2012 at 5:32 pm

um gato preto cruza
uma rua preta de um mundo
inexistente
um mundo preto
tal que não há
qualquer negativação ou superstição
sendo o gato um gato apenas
sem a luz que o ofenda
e o rebata em parede vizinha
de tamanho superior à sua figura

uma criança não chora com a
imagem do monstro no seu quarto

o gato não se arrepia
não se permite
não se fragmenta

é sua própria sombra
cruzando a madrugada

VII

In Quando a cidade dorme on dezembro 10, 2011 at 12:27 pm

o céu escorre
discreto
pelos telhados
escuros
pelas ruas
desertas
pelas portas
fechadas

a cidade chora
em silêncio
e ninguém

III

In Miudezas on dezembro 8, 2011 at 8:18 pm

vó luzia
guardaluz
dentro
do pote
de biscoito
e o mundo
todo
se apaga